terça-feira, março 5, 2024
Home Inovação Adesivo térmico desenvolvido em parceria com hospital de Israel ajuda a salvar vidas de soldados das FDI

Adesivo térmico desenvolvido em parceria com hospital de Israel ajuda a salvar vidas de soldados das FDI

por Redação
0 comentário

O conflito entre Israel e o Hamas pode avançar para o inverno, que chega ainda neste mês de dezembro no hemisfério norte. Uma solução médica inovadora, desenvolvida no Rambam Health Care Campus (HCC), o maior hospital público do norte israelense, localizado em Haifa, em parceria com uma empresa de engenharia biomédica do país, já foi entregue (primeiro lote de suprimentos) às Forças de Defesa de Israel (FDI) para salvar vidas de soldados feridos em ações militares.  

Quando há uma queda na temperatura corporal de soldados e civis feridos, lidando com uma queda na temperatura corporal após exposição ao frio e sangramento, um “adesivo” inteligente que aquece rapidamente até exatamente 42 graus, é colocado na pele ferida e retém esse calor por muito tempo.  

Um dos perigos associados a lesões e perda de sangue é a hipotermia – uma queda rápida na temperatura corporal. Chamado Rescue Heat, o produto foi desenvolvido por Hagay Weisbrod, CEO da empresa de engenharia biomédica Noyad Biomed no Kibutz Lavi na Galileia (um reservista dos paraquedistas), e pelo Dr. Amit Lehavi, diretor da unidade de anestesia pediátrica do Rambam HCC (um médico militar e o consultor médico da empresa).  

A inovação visa reaquecer o corpo, prevenir a deterioração dos feridos e salvar vidas. A tecnologia passou com sucesso nos testes de viabilidade em laboratório e em pele humana saudável. A necessidade deste tipo de solução, para uma transferência de calor eficiente, rápida e segura, foi comprovada num estudo abrangente liderado pelo Dr. Lehavi, ao qual foram comparados outros métodos importantes de manutenção da temperatura corporal. Estes se mostraram ineficientes e apresentam maior risco de queimaduras em comparação ao patch desenvolvido pela Rescue Heat.  

“Em situações de trauma, como uma lesão no campo de batalha, o corpo pode entrar em choque e perder calor por vários motivos, como a própria perda de sangue, a perda da capacidade de manter o calor corporal através da constrição dos vasos sanguíneos periféricos, e às vezes apenas deitado no chão frio”, observou Lehavi que, como parte do seu papel militar, participou num grande número de missões de resgate e resgate em áreas de desastre anteriormente. 

“Assim que a temperatura corporal cai abaixo de 35 graus Celsius, o corpo entra em estado de estresse e vários sistemas do corpo param de funcionar adequadamente. O principal perigo nestas situações é que a hipotermia prejudique a coagulação do sangue, pelo que a hemorragia não estanca e o perigo de vida aumenta”, acrescentou o médico do Rambam HCC.  

Todos os anos 20 milhões de vítimas de trauma são hospitalizadas só nos EUA, dos quais 2/3 também são diagnosticados como vítimas de hipotermia. No laboratório de Lehavi, foi feita uma avaliação da maioria dos produtos de aquecimento disponíveis atualmente. Num estudo realizado em laboratório comparando cinco tecnologias diferentes de aquecimento ativo e cinco métodos passivos de prevenção de perda de calor, o patch térmico apresentou um potencial de eficiência muito maior do que os outros métodos testados.  

A pesquisa mostrou uma melhora significativa em todos os indicadores dos pacientes que receberam o aquecimento, incluindo uma recuperação rápida e uma alta hospitalar mais rápida.  

Adi Shalev, vice-presidente de operações da Noyad Biomed e gerente do projeto Rescue Heat, explicou que o inovador adesivo de aquecimento no núcleo do produto foi desenvolvido para prevenir a hipotermia antes mesmo da evacuação para o hospital. O adesivo começa a agir quando é agitado e exposto ao ar. A bolsa aquece até uma temperatura de 42 graus Celsius 15 minutos após sua ativação e mantém a temperatura por oito horas.  

O adesivo consiste em um material “inteligente” preso ao corpo e projetado para aquecer a pele fria até uma temperatura de 42 graus e não mais quente que isso. A transferência de calor é muito mais eficiente em comparação com as alternativas que existem hoje quando o objetivo é manter os feridos numa faixa normal de temperatura de 37 graus Celsius.  

A adesão direta otimiza dez vezes a transferência de calor em comparação com os produtos atualmente utilizados no campo, disseram Shalev e Lehavi, acrescentando que o adesivo pretende ser um complemento ao protocolo normal de tratamento para os feridos e não requer ajustes ou alterações no a conduta dos médicos em campo.  

Os desenvolvedores esperam provar que a temperatura pode ser mantida por oito horas, em comparação com 90 minutos e ainda menos com outros métodos. Segundo eles, “até o momento, já transferimos unidades do adesivo térmico para as FDI para serem testadas em unidades selecionadas em campo. Esperamos que o desenvolvimento possa ajudar a salvar vidas”. 

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside