Home Negócios Leve Saúde ultrapassou a marca de 46 mil beneficiários em 2023 e prevê chegar a receitas anualizadas de R$ 600 milhões ao final de 2024

Leve Saúde ultrapassou a marca de 46 mil beneficiários em 2023 e prevê chegar a receitas anualizadas de R$ 600 milhões ao final de 2024

Healthtech projeta alcançar mais de 100 mil beneficiários e abrir novas clínicas próprias nesse ano

por Redação
0 comentário

A Leve Saúde, healthtech carioca que oferece planos de saúde mais acessíveis do que os tradicionais, fechou 2023 com receitas anualizadas de R$ 300 milhões e mais de 46 mil beneficiários. Apenas no ano passado, a empresa, fundada em 2020, conquistou mais de 23 mil novos clientes em sua área de atuação. Com isso, se posicionou como plano de saúde que mais cresceu no Rio de Janeiro nos últimos 12 meses, segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Atualmente, a empresa conta com seis clínicas próprias na capital (Tijuca, Campo Grande, Centro, Barra da Tijuca e Madureira) e na Baixada Fluminense (Nova Iguaçu), além de 40 hospitais credenciados e uma rede de 300 consultórios especializados, mais de 200 laboratórios e cerca de 110 clínicas e policlínicas.

Para o ano de 2024, a previsão da empresa é encerrar o período com receitas anualizadas de R$ 600 milhões, além de ultrapassar a casa dos 100 mil beneficiários. Já estão previstas as aberturas de mais dez unidades (já há a iminência de abertura de mais duas unidades em Niterói e São Gonçalo, com investimentos de mais de R$ 3 milhões). Para 2025, a empresa pretende se expandir para 10 novas cidades e iniciar sua atuação para além do estado do Rio de Janeiro.

A Leve Saúde oferece planos de saúde com preços cerca de 30% mais baratos que os valores dos planos tradicionais. Segundo Ulisses Silva, seu sócio-fundador, os preços mais baixos são resultado de uma estratégia que combina a gestão de utilização, atenção primária à saúde, tecnologia e parcerias estratégicas. “Oferecemos um mix de atendimento digital – com Inteligência Artificial, plataformas digitais, telemedicina e chatbots – e presencial, por meio da nossa rede própria que concentra 70% das nossas consultas. Além disso, oferecemos a Atenção Primária à Saúde, com foco na prevenção de doenças e a promoção de hábitos saudáveis, o que elimina a necessidade de inúmeras visitas aos consultórios e evita internações. Tudo isso contribui para oferecermos planos mais acessíveis”, explica ele.

Claudio Borges, CSMO e também fundador da Leve Saúde, ressalta que o modelo da Leve, em que o foco se volta para pessoas a partir de 45 anos, também tem se mostrado assertivo. A ideia é atender o público de cerca de 4,3 milhões de pessoas com mais de 45 anos que vivem no estado Rio de Janeiro e não possuem convênios médicos. “Sabemos que nesta idade as pessoas entendem que ter plano de saúde é essencial, estejam elas empregadas ou empreendendo em pequenos e médios negócios. Elas querem contar com essa segurança e com serviços funcionais e comodidade que facilitem a vida. Esse era um público que muitas vezes estava desassistido por conta dos altos preços dos planos de saúde”, afirma.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias