quinta-feira, maio 23, 2024
Home News Telessaúde e diagnósticos presenciais são coincidentes em 87% dos casos

Telessaúde e diagnósticos presenciais são coincidentes em 87% dos casos

por Redação
0 comentário

Os diagnósticos obtidos nas consultas presenciais de atenção especializada e nas consultas preliminares de telessaúde formam coincidentes em 86,9% dos casos, na comparação com a atenção primária, de acordo com um estudo publicado no JAMA Network Open.

A pesquisa ouviu 2.393 pacientes da Mayo Clinic nos EUA que passaram por uma consulta por videotelemedicina, seguida de uma consulta presencial para o mesmo problema, na mesma especialidade, no prazo de 90 dias. Os pacientes usavam computadores de mesa, laptops, tablets ou smartphones em suas casas, enquanto os médicos usavam computadores de mesa ou laptops nos consultórios, sem periféricos ou dispositivos como estetoscópios, otoscópios ou oftalmoscópios.

Embora o diagnóstico de telessaúde tenha sido coincidente com o atendimento presencial em 86,9% dos casos em geral, ele variou. O diagnóstico virtual em casos de atendimento especializado coincidiu com o resultado presencial em 88,4% dos pacientes na comparação com apenas 81,3% na atenção primária. A concordância foi menor para otorrinolaringologia, ou especialistas em cabeça e pescoço, e maior em psiquiatria.

“Em diagnósticos confirmados por meio de opinião clínica, como muitos diagnósticos psiquiátricos, houve uma concordância significativamente maior entre o diagnóstico por videotelemedicina e o diagnóstico presencial”, escreveram os autores do estudo. “Nos diagnósticos que exigem confirmação por meio de exame físico tradicional, testes neurológicos e patologia [como muitos diagnósticos otológicos e dermatológicos] houve uma diminuição significativa da concordância entre a telemedicina por vídeo e os diagnósticos presenciais.”

Os pesquisadores também descobriram que as chances de concordância diagnóstica diminuíram 9% para cada aumento de dez anos na idade do paciente. Mas a concordância não variou significativamente entre os médicos de pacientes adultos e pediátricos, ou com base na duração da consulta ou na experiência de um médico com telessaúde.

Por que isso importa?

O uso de telessaúde aumentou durante a pandemia de Covid-19, pois pacientes e provedores de saúde procuraram limitar as interações pessoais. Embora a utilização tenha mudado desde o auge da pandemia, o Rastreador Regional de Telessaúde Mensal da FAIR Health dos EUA descobriu que a telessaúde representava 5,4% das linhas de reivindicações médicas em maio.

Os pesquisadores disseram que uma grande vantagem do estudo foi a discrepância entre os cuidados primários e especializados, observando que um acompanhamento pessoal mais rápido pode ser benéfico se os médicos de cuidados primários se encontrarem com os pacientes virtualmente primeiro.

“Essas descobertas sugerem que a telemedicina pode ser um bom complemento para o atendimento presencial”, escreveram os autores. “Os programas de telemedicina de vídeo de atenção primária projetados para acomodar novos pacientes ou novos problemas clínicos podem se beneficiar de um limiar reduzido para acompanhamento direto em tempo oportuno em pacientes com suspeita de doenças tipicamente confirmadas por exame físico, testes neurológicos ou patologia”, finaliza o estudo.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside