quinta-feira, maio 30, 2024
Home Artigos Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

por Mara Machado
0 comentário

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Os dados mostram que a participação das despesas com saúde no consumo final das famílias subiu de 7,3% em 2010 para 9,2% em 2021, último ano considerado na pesquisa. Enquanto isso, as despesas do governo na área se mantiveram praticamente estáveis nos últimos anos. Apesar de elas serem maiores em relação a de países vizinhos, o Brasil gasta com saúde em média 2,9 vezes menos do que as nações desenvolvidas.

O custo crescente dos cuidados de saúde é um problema grave para o País, considerando o fardo crescente das doenças e, normalmente, cresce mais rapidamente do que o custo de outros bens e serviços na economia. Este contexto não afeta apenas a qualidade dos cuidados prestados, mas também leva ao racionamento e à limitação dos serviços de saúde.

Além do custo dos cuidados em si, os custos indiretos associados à obtenção de cuidados de saúde, como alimentação, moradia e transporte, desencorajam as pessoas.

Outro fator que dissuade as pessoas pobres é o custo proibitivo e o acesso a medicamentos essenciais que salvam vidas. Esta situação exige uma reparação imediata e uma reavaliação das políticas públicas.

Os elevados custos dos cuidados de saúde exercem pressão sobre a situação fiscal já tensa e é um dos principais impulsionadores do desequilíbrio estrutural a longo prazo entre despesas e receitas que está incorporado no orçamento do país. Conter os elevados custos dos cuidados de saúde é importante para o bem-estar fiscal e econômico a longo prazo.

A saída é dar maior ênfase na manutenção da saúde e na prevenção de doenças. Também é necessário que haja uma mudança de foco para os cuidados de saúde primários, que são uma forma mais econômica de prestar serviços de saúde a uma população.

Mara Machado, CEO do Instituto Qualisa de Gestão (IQG).

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias