NewsNewsletter

Levantamento da Memed revela aceleração da digitalização das receitas médicas no Brasil

0

A Memed acaba de divulgar um novo levantamento sobre o aumento da digitalização das receitas médicas no Brasil, impulsionado principalmente pela pandemia. Em 2020, apenas na plataforma Memed, o número de receitas triplicou, saindo de 500 mil, para cerca de 1.7 milhão de receitas mensais, e a empresa assinou quase seis vezes mais contratos de integração com instituições de saúde (137 contratos) em comparação a 2019. Atualmente, a plataforma da Memed conta com mais de 120 mil médicos cadastrados e 200 instituições de saúde integradas, como Prevent Senior, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Unimed Campinas e Hospital HC utilizando a plataforma. A adesão de farmácias e drogarias foi ainda mais expressiva, saindo de 2 lojas na capital paulista para 30 mil em todo território nacional.

Segundo o CEO da Memed, Ricardo Moraes, a regulamentação do Ministério da Saúde que liberou em caráter emergencial o uso da telemedicina, por conta da pandemia do COVID-19, contribuiu para um salto significativo no uso da receita médica digital entre os médicos brasileiros. As receitas médicas digitais foram essenciais durante esse período, pois possibilitaram aos pacientes a continuidade do atendimento médico respeitando as orientações de isolamento social. Contudo, este crescimento vem sendo observado desde 2019. “O aumento das receitas médicas no país começou um pouco antes da pandemia quando não só o médico, mas o paciente e as empresas da área da saúde, começaram a enxergar maior valor no serviço, por conta dos benefícios do uso da receita digital, como facilidade e segurança”.

Receitas médicas nacionais e no Estado de São Paulo Brasil

Em 2020, mais de 13 milhões de receitas digitais foram emitidas pela plataforma da Memed. É importante ressaltar que neste período, cerca de 30 mil farmácias/drogarias utilizaram o dispensador digital da Memed em todos os estados brasileiros. Além disso, mais de 60 mil novos médicos se cadastraram na plataforma.

Cidade de São Paulo

Somente na capital paulista, o número de receitas digitais geradas pela Memed em 2019 foi de 794 mil, enquanto em 2020 saltaram para 4 milhões de receitas emitidas. Em 2019, 3 mil médicos cadastraram-se na plataforma, número bastante inferior aos 14 mil cadastros criados em 2020. As farmácias e drogarias da cidade de São Paulo, que antes não aceitavam a receita digital, aderiram em massa somando 6 mil estabelecimentos.

Estado de São Paulo

Os números do estado de São Paulo também são expressivos: são 10 milhões de receitas geradas em 2020, contra 1 milhão em 2019. Com relação ao número de médicos cadastrados na plataforma, em 2019, eram 6 mil, enquanto 2020 somou 50 mil novos cadastros. As farmácias e drogarias passaram de 0 para 10 mil, em todo o estado.

“A tendência é que este número aumente cada vez mais, uma vez que a receita digital tornou-se essencial para garantir o acesso da população aos medicamentos, viabilizando uma das etapas mais importantes do tratamento, além de proporcionar segurança ao paciente, garantindo o entendimento exato do produto prescrito na receita”, explica Moraes.

Reestruturação da Memed

Para atender às mudanças e o crescimento da demanda do mercado, a Memed também contou com o crescimento da equipe em 2020. A healthtech dobrou o número de colaboradores e realizou uma reestruturação do time de novos negócios, que passou a contar com um serviço exclusivo B2B, com foco em operadoras de saúde e hospitais. “Nós oferecemos gratuitamente todo suporte no processo de integração da tecnologia, treinamento, e acompanhamento desses parceiros. Além disso, reforçamos a senioridade da equipe, incluindo profissionais com mais de 10 anos de experiência na área da saúde. O objetivo é conseguirmos atender às demandas de mercado no desenvolvimento de novos serviços e promover a melhoria contínua dos serviços que já oferecemos”, ressalta Moraes.

A Memed é parceira de mais de 200 empresas e conecta-se atualmente a mais de 100 prontuários eletrônicos, 50 plataformas de telemedicina, 11 operadoras de saúde e 5 hospitais. Segundo Moraes, em 2021, o objetivo é focar em serviços que auxiliem na adesão ao tratamento para o paciente voltados para as necessidades de operadoras de saúde e hospitais. “Queremos ampliar o impacto da integração da nossa plataforma com operadoras de saúde e hospitais e dedicar uma atenção exclusiva na frente B2B, adicionando não só vantagens como agilidade e segurança, mas contribuindo com programas de gestão populacional, em especial na experiência do paciente, incentivando a adesão ao tratamento”, finaliza.

Assina Saúde usa IA para democratizar acesso à telemedicina

Artigo anterior

Nova ferramenta laboratorial identifica Covid-19 das demais infecções respiratórias

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais News