quarta-feira, junho 19, 2024
Home Artigos Teste é capaz de medir o envelhecimento biológico

Teste é capaz de medir o envelhecimento biológico

por Rubens de Fraga Júnior
0 comentário

Uma equipe de investigadores europeus desenvolveu um novo teste que pode medir com precisão o envelhecimento biológico. A descoberta foi feita enquanto se estudava os efeitos da doença renal crônica no envelhecimento.

O novo teste é um relógio epigenético, um tipo de avaliação bioquímica que analisa o DNA para entender o quão bem o corpo está envelhecendo em contraste com sua idade cronológica, e é o primeiro desses exames de ponta a ser comprovado com precisão em um ambiente clínico, tanto em tecidos saudáveis quanto não saudáveis.

O trabalho foi desenvolvido por meio de parceria entre a Universidade de Glasgow e o Karolinska Institute, de Estocolmo, e publicado no Journal of Internal Medicine. Os resultados são parte de um estudo sobre os efeitos do envelhecimento da doença renal crônica e dos seus tratamentos associados.

A equipe de investigação estudou mais de 400 pacientes com doença renal crônica para compreender melhor o impacto da doença no envelhecimento, inclusive durante o tratamento de diálise e após o transplante renal.

Para fazer isso, os pesquisadores usaram uma série de testes, incluindo biomarcadores sanguíneos, autofluorescência cutânea e relógios epigenéticos. A equipe usou os relógios para medir a mudança na idade biológica de cerca de 47 pacientes um ano após o transplante renal, ou um ano após o início do tratamento de diálise, bem como como o tecido saudável em 48 controles envelheceu em comparação.

Os resultados mostraram que, para pacientes com doença renal crônica, o seu relógio biológico está funcionando mais rapidamente do que o da pessoa média. Esse continua a ser o caso mesmo após o tratamento de diálise. Na verdade, os relógios biológicos dos pacientes só diminuíram após um transplante de rim.

No entanto, embora todos os relógios epigenéticos mostrassem um quadro semelhante, a equipe de pesquisa descobriu que nenhum dos relógios atuais poderiam ter sua eficácia comprovada em ambientes clínicos. Sendo assim, todos foram considerados imprecisos quando testados em tecidos saudáveis ao longo do tempo.

Para resolver esta questão, a equipe desenvolveu um relógio epigenético novo e mais preciso – o Relógio Glasgow-Karolinska –, que funciona em tecidos saudáveis e não saudáveis. Os resultados deste novo aparelho coincidiram com o que os médicos observaram em pacientes com doença renal crónica e também pareceram avaliar com precisão os tecidos saudáveis. Este estudo é o primeiro teste do mundo real de relógios epigenéticos em um cenário de envelhecimento normal e em relação a parâmetros clínicos.

À medida que o corpo envelhece, uma série de fatores leva a alterações epigenéticas e à perda de uma etiqueta química (metilação do DNA) do seu DNA. Isto está frequentemente associado a uma série de doenças comuns ao envelhecimento, como doença renal crónica, câncer e doenças cardíacas. Os relógios epigenéticos foram propostos como um “padrão ouro” para medir a idade com precisão, além da idade biológica de uma pessoa, pois são capazes de medir marcas de metilação no DNA.

O professor Paul Shiels, principal autor do estudo da Universidade de Glasgow, disse que é a primeira vez em um ambiente clínico que se pode relatar com precisão a extensão do envelhecimento biológico em oposição ao cronológico em pacientes com doença renal crônica. “Os resultados, utilizando o novo Relógio Glasgow-Karolinska, mostram que não só estes pacientes envelhecem mais rapidamente do que as pessoas da população em geral, como o seu envelhecimento acelerado só abranda depois de terem feito um transplante. O tratamento com diálise não parece ter impacto neste processo”.

Este também é o primeiro teste clínico de relógios epigenéticos. A descoberta de que a maioria é imprecisa quando comparada com evidências médicas os levou a desenvolver um novo teste mais preciso que pode medir com precisão as marcas de metilação no DNA de tecidos saudáveis e não saudáveis. Provaram que é preciso de acordo com os altos padrões de um ambiente clínico.

“A marcação de metilação do DNA é impactada pelo que comemos e também pelo microbioma intestinal. Como resultado, este novo relógio tem potencial real para ser capaz de avaliar intervenções no estilo de vida, incluindo dieta, que poderiam beneficiar o público e ajudar a resolver questões como desigualdades em saúde”, comenta o autor.

Peter Stenvinkel, professor do Karolinska Institutet, disse que achou muito interessante a nova ferramenta para estimar os efeitos das intervenções na idade biológica. “A ferramenta poderia ser usada para estudar estratégias de tratamento em pacientes com doença renal em estágio terminal – um grupo submetido a envelhecimento prematuro”.

Fonte: Epigenetic clocks indicate that kidney transplantation and not dialysis mitigates the effects of renal ageing, Journal of Internal Medicine (2023). DOI: 10.1111/joim.13724, onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/joim.13724

Rubens de Fraga Júnior, Professor de Gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná (FEMPAR) e médico especialista em Geriatria e Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG).

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias