segunda-feira, julho 15, 2024
Home News Cerca de 2 milhões de pessoas no Brasil são gagas, diz IBF

Cerca de 2 milhões de pessoas no Brasil são gagas, diz IBF

por Redação
0 comentário

Dados do Instituto Brasileiro de Fluência (IBF), grupo voltado à divulgação de informações sobre o distúrbio da fala, revelam que cerca de dois milhões de brasileiros são gagos e nove milhões passam pelo problema momentaneamente. Cerca de 1 em cada 100 pessoas em todo o mundo gagueja. De 5% a 8% das crianças na idade pré-escolar desenvolve a condição, sendo que 80% recupera-se espontaneamente com ou sem intervenção, antes de cerca dos sete anos. Já os 20% restantes sofrem de gagueira até a idade adulta. 

No próximo domingo, 22 de outubro, é o Dia Internacional de Atenção à Gagueira e a fonoaudióloga Greicyane Castro, que atende na Clínica Audilife, localizada no centro clínico do Órion Complex, em Goiânia, destaca a importância da data. “Promove a educação e a conscientização sobre a gagueira, bem como incentiva a sociedade a ser mais inclusiva e compreensiva em relação às pessoas que têm essa condição”, afirma.  

Ela explica que a gagueira pode ser identificada por volta dos 3 anos. “É o momento que a criança começa a desenvolver a fala. Pode ser identificada a partir de algumas de disfluências na fala como prolongamento de sons (ssssapo), repetição de sílabas (sasasapo) e movimentos associados à fala como franzir a testa, bater na perna e outros. Se a gagueira persiste por mais de seis meses deve-se procurar avaliação fonoaudiológica”, ressalta a especialista.  

Greicyane Castro conta ainda que a condição é mais prevalente no sexo masculino. “Também são mais suscetíveis à gagueira pessoas que tem algum familiar que gagueja, presença de disfluências gagas na fala e deve-se considerar também o tempo que ela surgiu, quanto maior o tempo, maior o risco dela persistir”. Ela destaca também que a gagueira não tem cura, mas tem tratamento, que deve ser feito com um fonoaudiólogo com experiência em fluência de fala. 

A origem também é desconhecida, pois é multifatorial. “Não existe uma causa específica de surgimento da gagueira, ela pode ser de origem genética, neurológica e emocional. Os fatores emocionais, embora não sejam a causa, podem intensificar os sintomas”, salienta a especialista, ressaltando que o preconceito com os gagos está menor. “Já  avançamos muito na compreensão e na conscientização sobre a gagueira e seus desafios. A gagueira jamais deve ser motivo de preconceito”, afirma Greicyane.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside