NewsNewsletter

Estudo avalia fatores de risco de idosos com covid desenvolverem insuficiência respiratória grave

0

Estudo brasileiro realizado por pesquisadores do Hospital Israelita Albert Einstein e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) avaliou a influência de doenças crônicas, comprometimento radiológico pulmonar e exames laboratoriais no risco de desenvolver insuficiência respiratória grave com necessidade de ventilação mecânica (intubação) e morte em idosos hospitalizados com covid-19. A pesquisa, que acaba de ser publicada pelo jornal científico inglês BMC Geriatrics, envolveu 201 pacientes com mais de 60 anos.   

O objetivo da pesquisa foi estudar quais são os fatores relacionados a uma pior evolução clínica entre os pacientes internados por covid-19. Para isso, os pesquisadores acompanharam os participantes do estudo, já desde o momento da internação (estudo prospectivo) e avaliaram os desfechos de insuficiência respiratória grave com necessidade de ventilação mecânica e mortalidade.

“Os resultados apontam que, dentre todos os fatores analisados, os níveis de vitamina D no sangue menores que 40ng/mL, anemia (hemoglobina menor que 12g/mL), proteína C-reativa (um marcador de inflamação) maior que 80ng/mL e comprometimento pulmonar maior que 50% na tomografia computadorizada foram preditores importantes e independentes para insuficiência respiratória grave e ventilação mecânica”, explica um dos autores da pesquisa, Alberto Frisoli Junior, médico geriatra do Einstein e professor da Unifesp.

Por outro lado, os fatores preditivos de morte foram a presença de fibrilação atrial (um tipo específico de arritmia cardíaca), histórico de câncer e o aumento de uma das principais substâncias inflamatórias relacionadas à covid-19, a interleucina 6. A anemia também foi preditora de morte, mas de forma menos intensa que os demais.

Dentre os participantes, 16,9% evoluíram para insuficiência respiratória com necessidade de ventilação mecânica. “Em contrapartida, o estudo demonstrou que níveis maiores que 40 ng/mL de vitamina D no organismo apresentam seis vezes menos chance de o paciente ser intubado”, esclarece Frisoli. Ainda não se sabe o motivo de isso acontecer, mas há evidências de que a vitamina D tenha um papel relevante para a imunidade, auxiliando no funcionamento adequado do sistema imunológico.

Metodologia do estudo

O estudo apresentou uma metodologia diferenciada por analisar as variáveis relacionadas à gravidade de casos de covid-19 por meio de acompanhamento médico criterioso. A pesquisa foi realizada em caráter prospectivo, em que pacientes minuciosamente selecionados são acompanhados desde a internação.

Os dados de doenças crônicas, tomografia do pulmão e exames laboratoriais foram coletados nas primeiras 48 horas de internação e avaliados de forma independente para garantir que esses fatores possam interferir no desfecho clínico.

Hospital Albert Einstein abre inscrições para programa de estágio na área de dados

Artigo anterior

Pesquisa comprova que telemedicina é eficaz no monitoramento de crônicos

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais News