quarta-feira, abril 24, 2024
Home Artigos Saúde e sustentabilidade: como a tecnologia pode contribuir?

Saúde e sustentabilidade: como a tecnologia pode contribuir?

por Fabio Tiepolo
0 comentário

Nos ambientes corporativos a sigla ESG, que define o conjunto de práticas ambientais, sociais e de governança corporativa, virou padrão. A discussão é absolutamente pertinente, mas é importante que a palavra-chave destas três letras, a tal da “sustentabilidade”, seja entendida em sua acepção mais ampla. “Desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações” ou, simplificando, “o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro”, de acordo com World Wildlife Fund. Portanto, ser sustentável é não apenas pensar no meio ambiente, mas sim ir além. É pensar na cadeia completa.

É claro que dá para pensar, de imediato, que a saúde tem um forte vínculo com a sustentabilidade, pois quando as condições de saúde da população são ruins, os problemas de saúde geralmente refletem o descaso ambiental e o desequilíbrio social. A saúde humana depende de recursos naturais, como ar limpo, água potável e alimentos nutritivos. Se esses recursos não forem gerenciados de maneira sustentável, a saúde das pessoas pode ser prejudicada.

Dessa forma, faz total sentido que nosso foca seja em não apenas reduzir o desperdício e a poluição ou investir em energias renováveis, mas aumentar a conscientização e promover ativamente estilos de vida saudáveis, como atividade física, dietas equilibradas e outras formas de autocuidado. Só que, no caso da Docway, eu sempre gosto de trazer um elemento adicional a esta discussão, que é justamente o papel da tecnologia na equação.

Ao permitir diagnósticos mais precisos e tratamentos mais eficazes, seja por meio de IoT (internet das coisas), wearables mais acessíveis ou armazenamento mais inteligente de dados em nuvem, a tecnologia pode contribuir ativamente para reduzir a carga sobre os sistemas de saúde e então melhorar a qualidade de vida das pessoas diretamente, por exemplo. Além disso, ela também pode ser usada para desenvolver soluções sustentáveis para problemas de saúde, como o uso de tecnologia de ponta para a produção de medicamentos mais sustentáveis e o desenvolvimento de dispositivos médicos mais duráveis e menos descartáveis.

Isso sem falar, obviamente, no nosso core business, a telemedicina. Só para começar, e dizendo o mínimo, atender os pacientes remotamente, sem a necessidade de deslocamento físico até uma unidade de saúde, reduz o número de veículos nas estradas e, portanto, diminui as emissões de gases de efeito estufa. Há também uma redução do uso de materiais e equipamentos médicos, além do impacto na diminuição do desperdício de recursos – reduzindo assim o consumo de recursos, como energia elétrica, água, papel e outros suprimentos.

Importante ainda destacar o quanto a telemedicina pode ser particularmente útil em áreas remotas, onde o acesso aos serviços de saúde pode ser limitado. Prover acesso de qualidade à saúde usando a tecnologia de maneira inteligente é também pensar em suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações.

Isso é o tal do “cuidado inteligente” sobre o qual tanto falamos e do qual temos tanto orgulho. Porque um negócio sustentável definitivamente não se sustenta se não pensar em seu papel no desenvolvimento sustentável da sociedade como um todo.

*Fabio Tiepolo é CEO da Docway, empresa fornecedora de soluções de saúde digital e telemedicina no Brasil.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside