InovaçãoNewsletter

Exame de raio X digital reduz exposição à radiação em hospitais públicos de São Paulo

0

A Fundação Instituto de Pesquisa e Estudo de Diagnóstico por Imagem (FIDI), responsável por gerir sistemas de diagnóstico por imagem na rede pública de saúde, implantou, em 2020, uma tecnologia de radiologia digital (DR) em 20 hospitais, unidades do estado de São Paulo. Após dois anos de implementação, já foram realizados mais de 1 milhão de exames e o tempo de permanência do paciente no setor de radiologia reduziu em 50%. 

“Entre os ganhos do raio X digital podemos considerar a qualidade diagnóstica superior às demais tecnologias, uma carga de irradiação inferior em média de 30 a 40% se compararmos com a radiologia analógica ou com a radiologia computadorizada [CR]. Há também a vantagem de as imagens serem adquiridas quase que instantaneamente, reduzindo pela metade o tempo de permanência do paciente no setor”, explica Luis Carnielo, gerente de Imaginologia da FIDI. 

Outro ganho refere-se à maior celeridade no diagnóstico médico o que traz benefícios importantes na conduta médica no atendimento a pacientes de urgências e emergências principalmente. Nos exames de raio X analógico ou realizados no CR, os pacientes precisam esperar alguns minutos até que as imagens sejam processadas e analisadas, já com a tecnologia das placas de radiologia digital DR gera-se uma imagem em até três segundos, diretamente no computador da sala de exames.

“O tempo de realização dos exames também é reduzido com a tecnologia DR, pois não há necessidade de troca de chassis/cassete durante os posicionamentos o que agiliza o atendimento reduzindo o tempo de permanência do paciente em sala. Durante a realização dos exames o técnico em radiologia verifica a qualidade das imagens em tempo real e as disponibiliza imediatamente de forma on-line para o médico e o paciente”, acrescenta Carnielo.

“Uma situação que impacta no dia a dia dos pacientes está relacionada à vida útil da placa DR que é de aproximadamente 10 anos, bem superior as demais tecnologias, o que permite atendimento mais otimizado sem paralizações por necessidade corretiva”, completa o especialista. 

O recurso reduz ainda custos para as unidades de saúde, pois elimina o uso dos chassis ou cassetes de filmes, e no caso dos exames analógicos todo processo de revelação das imagens (Químicos ou Filme). Com isso é possível economizar água, tornar o procedimento mais sustentável e eliminar 100% do tempo de espera pós-exame para a verificação das imagens. A tecnologia digital também gera um desgaste menor nos equipamentos de raios x quando comparada à técnica tradicional, que contribui para a redução dos custos de manutenção.

Não sigamos o (mau) exemplo da Boeing

Artigo anterior

Pipo Saúde lança programa focado em benefícios de saúde para startups

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar