GestãoNewsNewsletter

Wearables podem capacitar pacientes, mas barreiras impedem maior adoção

0

O uso de wearables para rastrear dados de saúde pode capacitar os pacientes, mas existem várias barreiras para o uso eficaz, incluindo a necessidade de suporte do provedor.

A revisão, publicada no JMIR, analisou 20 estudos publicados na Europa e nos EUA que incluíram coletivamente mais de 7.000 participantes. Os pesquisadores encontraram três temas principais: o papel dos provedores e os benefícios potenciais para o atendimento, a mudança de comportamento e as barreiras ao uso, segundo divulgou o Mobile Heath News..

Na frente do clínico, o estudo descobriu que os wearables oferecem dados em tempo real que podem ser mais úteis do que os pacientes simplesmente comunicando suas preocupações nas consultas. Esses dados também podem ser mais abrangentes, como registros de atividade e nutrição de longo prazo. Também pode ajudar nos esforços de educação do paciente e, principalmente, ajudar as pessoas com condições crônicas a se sentirem mais apoiadas.

No entanto, os pesquisadores observaram que nem todos os sistemas de saúde têm um ótimo histórico de adoção rápida de novas tecnologias. Os profissionais de saúde provavelmente precisariam de mais treinamento para incentivar o engajamento e impulsionar a mudança de comportamento entre os pacientes. O monitoramento e feedback contínuos também aumentariam suas cargas de trabalho.

Enquanto isso, nem todos os wearables de consumo são calibrados para uso na área da saúde, o que pode levar a dados imprecisos.

Mas os pesquisadores descobriram que acompanhar o progresso e fornecer feedback continuamente pode ajudar a reforçar a mudança de comportamento, embora isso possa depender do contexto e do próprio paciente.

“Para que os wearables capacitem os indivíduos, valeria a pena realizar uma avaliação preliminar dos indivíduos que podem precisar de suporte adicional na forma de aconselhamento comportamental. Isso ajudará a garantir que os pacientes recebam o suporte adequado, pois indivíduos cujos perfis motivacionais não correspondem ao wearable dispositivo pode ficar desmotivado e experimentar emoções negativas por falhar persistentemente em atingir as metas”, explicaram os autores do estudo.

Há também uma série de barreiras à adoção. Embora os indivíduos tenham dito que estavam dispostos a usar wearables, o uso real era inconsistente. Os usuários às vezes se esqueciam de colocá-los, os perdiam ou simplesmente se desinteressavam.

Problemas de design, custo e questões técnicas e de privacidade também podem prejudicar o uso. Os pesquisadores apontam que algumas dessas preocupações podem refletir o tipo de wearable usado no estudo, mas elas ainda precisam ser abordadas para evitar que percepções negativas impeçam a aceitação.

“Consideráveis ​​achados da literatura sugerem que os wearables podem capacitar os indivíduos, auxiliando no diagnóstico, na mudança de comportamento e no automonitoramento. investimento de curto prazo para capacitar a equipe, especialmente na área de análise de dados; e superar as barreiras ao uso, principalmente melhorando a precisão do dispositivo”, disseram os especialistas.

“Agir de acordo com essas sugestões exigirá investimento e contribuições construtivas das principais partes interessadas, ou seja, usuários, profissionais de saúde e designers da tecnologia”.

Tendência

As remessas de wearables caíram 3% ano a ano no primeiro trimestre, marcando o primeiro declínio do setor, de acordo com um relatório da International Data Corporation. No entanto, o declínio dependeu do tipo de wearable, já que os fones de ouvido e relógios inteligentes aumentaram durante o trimestre, enquanto os wearables de pulseira diminuíram.

Há uma série de wearables no mercado, incluindo o Apple Watch , Fitbit , relógios Garmin , o Oura Ring e o Galaxy Watch da Samsung . O Google também revelou recentemente seu próprio smartwatch, chamado Pixel Watch, que chegará neste 3º trimestre.

Um em cada três pacientes do SUS em São Paulo já usa a saúde de forma digital

Artigo anterior

Bayer anuncia nova diretora executiva de sustentabilidade, segurança e saúde para AL

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais Gestão