ArtigosNewsletter

Por que investir em interoperabilidade na área de saúde?

0

As instituições de saúde estão cada vez mais investindo em ferramentas e soluções tecnológicas a fim de otimizar o atendimento aos pacientes. De acordo com um levantamento realizado pela Associação Paulista de Medicina (APM), com 2,2 mil profissionais brasileiros da área da saúde de 55 especialidades diferentes, 65,19% revelaram utilizar algum tipo de ferramenta tecnológica durante seu dia a dia de trabalho.

Além disso, a pesquisa apontou os prontuários digitais, onde estão concentradas grande parte das informações do estado de saúde dos pacientes, como uma das tecnologias mais utilizadas pelas instituições médicas, 48,1%. Já os programas de gerenciamento de consultório, que auxiliam na organização dos agendamentos, lembretes e estoques de medicamentos, por exemplo, são rotineiros em 18,40% das organizações.

Mas, de nada adianta tanta tecnologia nos processos médicos, se elas não se conversarem entre si e oferecem maior visibilidade dos dados e clareza nas operações. E, é neste contexto, que a interoperabilidade ganha espaço. De maneira geral, interoperabilidade é a capacidade de dois ou mais sistemas interagirem entre si, sem ter que criar uma dependência em relação ao outro. Ou seja, ao interoperarem, os sistemas seguem um padrão em comum, mas que não tenha sido imposto nem por um e nem pelo outro, e sim definido de forma imparcial.

A interoperabilidade na saúde

Nas instituições de saúde, a interoperabilidade permite a troca de dados entre diferentes ferramentas utilizadas para armazenar informações dos pacientes, proporcionando resultados mais significativos no cuidado clínico. Pode-se dizer que a interoperabilidade na saúde funciona como um ecossistema de informações, no qual o objetivo é prover um atendimento de ponta a ponta entre médico e paciente, por meio de soluções tecnológicas integradas com fácil acesso aos dado s.

Em um exemplo prático, é comum que os hospitais e as operadoras de planos de saúde tenham que trocar informações diariamente, porém cada um possui seu próprio software e sua própria solução tecnológica para a troca de informações internas. Portanto, para que ocorra a interoperação hospital-operadora, é adotado um terceiro padrão comum, no qual é possível compartilhar e extrair de maneira segura e dentro da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) todas as informações necessárias para prosseguir com os atendimentos e procedimentos médicos diários.

Neste cenário, não há dúvidas de que a interoperabilidade na saúde oferece diversos benefícios aos profissionais da área e aos pacientes, como atendimentos mais ágeis e qualificados, mais segurança e confiabilidade em relação às informações, além de maior praticidade nos processos. Para as instituições de saúde, sistemas interoperáveis garantem uma visão mais ampla dos processos, uma comunicação eficiente, redução de custos com a diminuição de retrabalhos e duplicidades de atividades, bem como uma padronização dos dados dos pacientes.

Desafios a serem superados

Apesar dos diversos benefícios, a interoperabilidade na saúde ainda apresenta desafios para se tornar totalmente eficiente no sistema de saúde brasileiro. O primeiro deles diz respeito a tecnologias legadas que ainda possuem um pouco mais de dificuldade de acompanhar e interoperar em novos padrões e, para isso, precisam primeiro passar por uma modernização ou troca.

Além disso, durante ou após o processo de interoperação entre duas ou mais soluções, é preciso realizar a padronização de estruturas para a representação dos itens adotados, como a atualização do vocabulário, dados e mensagens, o que é muito mais lento e trabalhoso no setor da saúde, que possui um nível mais alto de complexidade e exige mais cuidado por tratar-se de dados sensíveis.

Com os desafios superados, o próximo passo é difundir a interoperabilidade no sistema de saúde, integrando hospitais, operadoras, laboratórios, clínicas e drogarias, com as tecnologias atuais disponíveis no mercado, uma vez que somente por meio da interoperabilidade é possível extrair as informações dos silos de onde elas estão, ilhadas em softwares, e fazer com que elas conversem entre si.

Sendo assim, as instituições de saúde devem pensar em suas informações como um ecossistema transitável e a interoperabilidade como uma questão de sobrevivência para oferecer o melhor atendimento ao paciente.

*Daniel Rocha é diretor Executivo de Saúde da Digisystem, empresa 100% brasileira com 31 anos de experiência em serviços especializados em TI.

Grupo Sabin adquire Laboratório CML e avança no interior de São Paulo

Artigo anterior

Viveo adquire a Boxifarma e amplia investimento em serviços ao paciente

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais Artigos