sexta-feira, março 1, 2024
Home News Neuralink consegue recrutar pacientes para o primeiro teste em humanos

Neuralink consegue recrutar pacientes para o primeiro teste em humanos

por Redação
0 comentário

A Neuralink, startup de chips cerebrais do empresário bilionário Elon Musk disse na terça-feira passada, 19, que recebeu a aprovação de um conselho de revisão independente para iniciar o recrutamento para o primeiro teste em humanos de seu implante cerebral para pacientes com paralisia.

“Estamos felizes em anunciar que recebemos a aprovação do conselho de revisão institucional independente e de nosso primeiro hospital para iniciar o recrutamento para nosso primeiro ensaio clínico em humanos”, disse a empresa sediada em Fremont em um comunicado publicado em seu blog corporativo.

A empresa batizou o teste de “Estudo Prime” (abreviação de Precise Robotically Implanted Brain-Computer Interface).

A Neuralink disse anteriormente que desenvolveu uma interface cérebro-computador (BCI) sem fio totalmente implantável, projetada para ser implantada em crânios humanos e conectada por fios finos aos nervos no cérebro das pessoas.

O objetivo do estudo é avaliar a segurança do implante e do robô cirúrgico usado para colocá-lo no cérebro do paciente para ver até que ponto ele permite que “pessoas com paralisia controlem dispositivos externos com seus pensamentos”. A empresa disse que seu dispositivo poderá eventualmente ser usado para tratar uma série de condições neurológicas e outras. Entre aqueles que poderiam ajudar: tetraplégicos com lesão na medula espinhal cervical ou esclerose lateral amiotrófica (ELA), conhecida como doença de Lou Gehrig.

Foi um ano agitado para a empresa e seu fundador, Musk, CEO da Tesla e proprietário da plataforma de mídia social X (ex-Twitter). Em agosto, a Neuralink recebeu uma rodada de financiamento de Série D de US$ 280 milhões liderada pelo Founders Fund de Peter Thiel. A empresa levantou um total de mais de US$ 617 milhões e tem uma avaliação estimada de US$ 3,48 bilhões, de acordo com a PitchBook Data.

Mas foi difícil obter aprovação para iniciar os testes. Os EUA. A Food and Drug Administration (FDA) inicialmente negou permissão para o Neuralink iniciar testes em humanos. No entanto, em maio, a agência concedeu aprovação para uma isenção de dispositivo experimental (IDE) que permitiu que os dispositivos da empresa fossem utilizados para estudos clínicos.

E em dezembro do ano passado, o inspetor-geral do Departamento de Agricultura dos EUA abriu uma investigação sobre a empresa após reclamações de funcionários de que testes apressados ​​causaram sofrimento desnecessário e mortes de 1.500 animais de laboratório — entre eles, 280 macacos, porcos e ovelhas.

De acordo com a revista americana Wired, documentos de veterinários mostram que vários macacos tiveram que ser sacrificados após os implantes darem errado. O assunto veio à tona depois que Musk afirmou, no começo do mês no X que nenhum animal havia morrido em decorrência de testes da empresa. Segundo ele, os implantes são feitos em macacos com doenças terminais que já estão perto da morte, para minimizar os riscos aos animais.

A condição dos animais usados pela Neuralink, porém, não é exatamente essa, de acordo com o Physicians Committee for Responsible Medicine, uma ONG que luta contra testes em animais. O órgão enviou uma carta para a Securities and Exchange Commission (SEC) pedindo para que uma investigação fosse aberta para o caso.

De acordo com o Physicians Committee, documentos das cirurgias de implante cerebral foram analisados por um grupo de pesquisa veterinária da Universidade da Califórnia e constataram que vários animais tiveram efeitos colaterais aos procedimentos que passam por sangramento, paralisia parcial e edemas cerebrais.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside