NewsNewsletter

Hospital Santa Catarina realiza implante de cardiodesfibrilador com Bluetooth

0

O Hospital Santa Catarina realizou o primeiro implante de um cardiodesfibrilador implantável com terapia de ressincronização cardíaca (CDI) e tecnologia Bluetooth da Abbott, empresa global de cuidados para a saúde. Inédito no hospital, o dispositivo Neutrino NxT HF traz mais praticidade e segurança para o paciente e para o corpo clínico. Foi implantado pela primeira vez em um paciente no Brasil, em 2021, em Blumenau, no Hospital Santa Isabel, que também faz parte da Rede Santa Catarina. 

O cardiodesfibrilador é indicado para pacientes com ritmos cardíacos anormais, males que afetam cerca de 20 milhões de brasileiros. Diferente do marca-passo, o CDI pode trabalhar tanto quando há taquicardia (aceleração dos batimentos) quanto braquicardia (diminuição anormal do ritmo cardíaco). Assim como os outros aparelhos com a mesma função, o equipamento analisa se existe alguma alteração no ritmo do coração e quando acionado emite pulsos elétricos que permitem o retorno dos batimentos ao ritmo normal. 

“O paciente elegível é o que tem uma doença cardiológica com uma queda da força de contração do coração, que chamamos de fração de ejeção, em geral, abaixo de 35 a 45%. Existem alguns critérios de exclusão como qualquer doença orgânica instável, por exemplo doenças hematológicas, oncológicas e pulmonares. Não há contraindicação de faixa etária”, explica Nilton Carneiro, médico cardiologista do Hospital Santa Catarina – Paulista. 

Devido à bateria, o CDI tem uma vida estimada de sete a oito anos. No entanto, essa longevidade pode variar de acordo com o número de vezes que o dispositivo precisa ser acionado. Com o esgotamento da bateria, o dispositivo precisa ser trocado em uma nova cirurgia. 

Monitoramento via Bluetooth no APP

Um pouco maior que o marca-passo comum, o Neutrino NxT HF é implantado na região peitoral, abaixo da clavícula. Possui três eletrodos, sendo implantados dois do lado direito do coração e um do esquerdo, posicionados no coração. O processo operatório e o pós-operatório seguem o mesmo padrão dos dispositivos comuns. 

Após ser colocado, o dispositivo é pareado via Bluetooth com o app myMerlinPulse, que agiliza a comunicação entre médico e paciente. O aplicativo é instalado no Smartphone do paciente, um dos grandes diferenciais do dispositivo, pois a maioria dos implantes requerem um dispositivo exclusivo para o monitoramento. Isso traz mais praticidade e facilidade, já que é possível acompanhar o funcionamento do CDI sem precisar de outro equipamento. A transmissão é feita direto pelo celular do paciente, objeto que grande parte da população carrega o dia inteiro. 

No aplicativo, o paciente tem acesso aos dados da bateria do dispositivo implantado e ao histórico de transmissões feitas pelo aparelho, ou seja, se as transmissões foram bem-sucedidas ou não, assim como o status da conexão entre o celular e o dispositivo do paciente. Com esses dados, o paciente se sente mais seguro em saber que tudo está em conformidade e que eventos importantes serão vistos pelo seu médico. 

Alertas à distância e prevenção

Do lado médico, o profissional consegue monitorar, por meio de uma interface online, diversos dados referentes ao paciente e ao dispositivo, como episódios de arritmia, integridade do dispositivo implantado e várias outras informações que podem possibilitar uma ação rápida do corpo médico quando necessário. O médico recebe alertas quando o dispositivo registrar algum evento anormal ou que exija uma maior atenção. 

Esse monitoramento contínuo permite uma intervenção mais rápida quando necessária. Dados mostram que equipamentos que permitem o acompanhamento remoto auxiliam na prevenção de ocorrências cardíacas e diminuem a necessidade de internação. 

“O CDI começa a funcionar mesmo quando ainda não há sintomas e já notifica o paciente, e o médico. Esse é o grande diferencial do cardiodesfibrilador da Abbott. Você consegue detectar um problema antes de ficar mais grave e evitar internações ou maior gravidade da arritmia”, conclui o cardiologista do Hospital Santa Catarina.

Aluno do CEUB cria exoesqueleto mecânico para pessoas com deficiência

Artigo anterior

Ircad oferece programa de capacitação em cirurgia robótica colorretal

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode gostar

Mais News