GestãoNewsNewsletter

Pesquisa com 199 hospitais mostra os impactos da pandemia da Covid

0

Uma pesquisa inédita desenvolvida pelo IQG Health Services Accreditation mostra os impactos da COVID-19 nas instituições de saúde brasileiras, entre os meses de março e junho. Foram avaliados 199 hospitais de todo o país, sendo 37 públicos 162 privados. O estudo indica a relação entre o modelo de gestão e a resiliência à crise. Instituições que não seguem padrões internacionais são as que mais sofreram no período.

Para o desenvolvimento do estudo, foi utilizada uma matriz de impacto no sistema de saúde desenvolvida pelo NHS, serviço nacional de saúde britânico. A matriz avalia risco institucional e foi adaptada à realidade brasileira. Foram analisadas 6 dimensões de impacto: objetivos do negócio ou planejamento estratégico, finanças, recursos humanos, segurança, comunicação e serviços.

Todos os hospitais foram avaliados em uma escala de 1 a 5, sendo 1 para o impacto mais baixo e 5 para o impacto mais alto, com danos catastróficos. A pontuação foi dada a partir da análise de dados fornecidos pelas próprias organizações, em mais de 1.200 entrevistas por telefone e 80 videoconferências. Foram ouvidos profissionais da área de Qualidade, Recursos Humanos, Serviço de Controle de Infecção Hospitalar e Diretoria Administrativa e Técnica.

Resultados

Um ponto de atenção é que, diferente de outros tipos de crise, todas as dimensões nos hospitais foram impactadas de alguma forma. A média de impacto nos hospitais pesquisados foi de 2,63.

As médias mais altas são a dos impactos em segurança (2,95) e recursos humanos (2,89). Por estarem muito próximos do nível 3, esses valores apontam danos significativos à saúde psicológica, social e física de pacientes e colaboradores, como também impacto moderado no absenteísmo, turnover e capacitação das equipes. A saúde financeira das instituições também foi avaliada. Os danos nesse aspecto, apesar de mais baixos do que em outras dimensões, também lançam sinal de alerta, atingindo a casa de 2,52.

Gráfico 1: Média dos impactos da pandemia por dimensão. Escala de 1 a 5 (Fonte: IQG)

Em todas as dimensões, houve impacto menor nos hospitais que seguem padrões internacionais de gestão, conforme mostra o gráfico abaixo. Em relação à segurança, por exemplo. hospitais sem acreditação internacional têm média de 2,98, contra 2,86 daqueles que têm acreditação internacional. Na parte de recursos humanos, os valores são de 2,97 contra 2,6; no impacto financeiro, a diferença é ainda maior, 2,63 contra 2,33.

Gráfico 2: Média dos impactos da pandemia por dimensão e por padrão (Fonte: IQG)

Os números evidenciam que os hospitais, de uma forma geral, precisam adaptar ou reinventar seus modelos de gestão frente à pandemia. “O sistema de saúde não será o mesmo após a pandemia. Os recursos financeiros serão mais escassos, os pacientes farão menos procedimentos, o foco em prevenção será ainda mais importante. Os hospitais brasileiros precisaram rever os seus modelos de negócio, ou correm o risco de não sobreviver no pós-pandemia”, explica o médico Rubens Covello, CEO do IQG.

Coordenador de projeto INSPIRE eleito professor do ano

Artigo anterior

Telemedicina oferece consulta com psicólogos para controlar ansiedade de pandemia

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Gestão