terça-feira, março 5, 2024
Home News Sudeste e centro-oeste são as regiões que mais utilizam inteligência artificial em hospitais

Sudeste e centro-oeste são as regiões que mais utilizam inteligência artificial em hospitais

por Redação
0 comentário

O uso de tecnologias nos hospitais vem aumentando constantemente, uma vez que a união de ferramentas tecnológicas na saúde pode ajudar na praticidade, assertividade e economia de uma instituição, contribuindo com um atendimento de qualidade para o paciente. De acordo com a terceira edição do relatório MoVing The Future, a Inteligência Artificial, por exemplo, já é aplicada em 3.500 estabelecimentos de saúde cadastrados no Brasil, sendo 3.200 da esfera privada.

O Moving The Future, elaborado pela MV, multinacional especializada em transformação digital na saúde, lançou sua terceira edição com dados atualizados sobre a inteligência artificial nos hospitais e as perspectivas da ferramenta no futuro para auxiliar nos processos.

De acordo com o relatório, o sudeste e o centro-oeste são as regiões do Brasil que possuem o maior percentual de estabelecimentos que utilizam inteligência artificial, com 12% das instituições aplicando a tecnologia em diversos processos. Em seguida estão o sul (11%), norte (8%) e nordeste (6%). Entre as principais formas de tecnologia que as instituições usam estão os prontuários eletrônicos (76%), dispositivos inteligentes ou sensores (74%), mídias sociais (56%) e dispositivos portáteis (55%).

Para o CEO da MV, Paulo Magnus, a tendência é que essa proporção só aumente nos próximos anos. “Com os ajustes necessários e esperados, o papel da IA vai evoluir significativamente e vamos ver essa tecnologia se aprimorar muito em diversas áreas, como medicina de precisão; diagnóstico precoce e prevenção; robótica e automação, com o impulsionamento de assistentes médicos automatizados, e também na saúde mental, com chatbots ainda mais inteligentes e assistentes virtuais ajudando a fornecer suporte emocional e identificar sinais precoces de problemas mentais”, ressalta.

Muitas empresas acreditam no crescimento da inteligência artificial como uma ferramenta promissora para aprimorar a saúde e ser o braço direito do médico, buscando investir no setor. Um exemplo é a MV, fundada em 1987, que investe mais de R$ 80 milhões por ano em pesquisa e desenvolvimento, com centros em cidades como Cascavel, Fortaleza, Porto Alegre, Recife e Teresópolis. Outro exemplo são as startups, que têm complementado os portfólios de soluções para os inúmeros players existentes na saúde.

Apesar da evolução evidente, o relatório mostra que ainda há um longo caminho a percorrer para que os cerca de 120 mil estabelecimentos de saúde no país faça adesão a essas ferramentas, uma vez que há muitos outros obstáculos para o desenvolvimento tecnológico dessas instituições que precisam ser transpostos.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside