terça-feira, junho 18, 2024
Home News Relatório aponta um total de 520 startups de saúde em atividade no Brasil

Relatório aponta um total de 520 startups de saúde em atividade no Brasil

por Redação
0 comentário

A Liga Ventures, maior rede de inovação aberta da América Latina, que conecta startups e grandes empresas para geração de negócios, com apoio estratégico da PwC Brasil, acaba de divulgar o relatório que mostra a evolução das healthtechs no país. Ao todo foram mapeadas 520 startups que estão ativas e utilizam diferentes tecnologias.

O levantamento aponta ainda que elas estão divididas em 35 categorias, sendo que as principais são gestão de processos (6,92%); planos e financiamento (6,54%); bem-estar físico e mental (6,15%); buscadores e agendamentos (5,96%); exames e diagnósticos (5,77%); saúde no trabalho (4,23%); inteligência de dados (4,23%); capacitação, informação e educação (3,85%); infraestrutura para telemedicina (3,65%); prontuário, prescrição e triagem (3,46%); marketplace de medicamentos e equipamentos (3,46%).

Em relação ao ano de fundação das startups, cerca de 36% delas foram criadas entre 2019 e 2022. Sobre os investimentos no setor, é possível ver que foram realizados 38 deals entre janeiro de 2022 e junho de 2023, que movimentaram R$ 1,3 bilhões. As startups de planos e financiamento (24%), infraestrutura para telemedicina (16%) e buscadores e agendamentos (14%) tiveram a maior participação no montante total investido no período.

O estudo traz também as regiões com maior distribuição de startups ativas. No primeiro lugar do ranking está São Paulo (50%), seguido de Rio de Janeiro (8%), Minas Gerais (8%), Rio Grande do Sul (7%), Santa Catarina (5%), Paraná (5%), Pernambuco (3%), Espírito Santo (3%), Goiás (2%) e Ceará (2%).

Outro dado interessante se refere à análise da maturidade das startups mapeadas, onde 34% são emergentes, 30% estão estáveis, 24% são nascentes e 12% delas disruptivas. Com relação às tecnologias mais aplicadas, destacam-se Agenda Inteligente (8%); Biotecnologia (7%); API (6%); Big Data (5%) e Telemedicina (3%). Já referente ao público-alvo, o estudo mostra que 54% das startups têm como foco o mercado B2B.

“A pandemia impulsionou significativamente o crescimento do mercado de saúde e das healthtechs. E ainda existem diversos desafios a serem enfrentados tanto pelas empresas quanto pelas startups. Com esse estudo, conseguimos ter diferentes insights e realizar análises mais assertivas de como podemos agir para ajudar o segmento a evoluir ainda mais”, analisa Guilherme Massa, cofundador da Liga Ventures.

Para realizar o estudo foram utilizados dados do mapa de healthtechs da ferramenta Startup Scanner, plataforma criada pela Liga Ventures, com apoio estratégico da PwC, que identifica e acompanha dados de startups do Brasil e América Latina para que grandes empresas, pesquisadores e empreendedores possam entender as movimentações do mercado e encontrar oportunidades de negócios sinérgicos à sua atuação.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias