quarta-feira, fevereiro 21, 2024
Home Inovação Em Israel, pesquisa envolvendo microbioma oferece nova esperança para pacientes com fibromialgia

Em Israel, pesquisa envolvendo microbioma oferece nova esperança para pacientes com fibromialgia

por Redação
0 comentário

Uma pesquisa inovadora em testes com pacientes que sofrem de fibromialgia tem mostrado potencial e eficácia no combate e alívio dos sintomas de quem tem dor crônica. O estudo, que envolve a administração de microbiomas intestinais, composição bacteriana presente em nosso organismo, em pacientes com o distúrbio, está em andamento no Rambam Health Care Campus, um dos maiores hospitais da região norte de Israel, em Haifa.

A fibromialgia é uma doença que afeta de 2% a 4% da população e é mais comum em mulheres. É caracterizada por dor generalizada e persistente, fadiga e problemas relacionados à concentração e à memória.

No estudo coordenado por Amir Minerbi, MD/PhD, vice-diretor do Instituto de Medicina da Dor do Rambam, membro do Instituto de Pesquisa Clínica do Rambam e professor sênior da Faculdade de Medicina Technion – Ruth e Bruce Rappaport, participaram 15 pacientes mulheres do hospital que lutam contra fibromialgia grave e resistentes ao tratamento. A pesquisa foi conduzida em colaboração com colegas da Universidade McGill, no Canadá, os professores Yoram Shir e Arkady Khotorsky, e a médica-cientista Dra. Milena Pitashny, chefe do Centro de Microbioma Clínico e de Pesquisa em Rambam, e contou com financiamento da Weston Family Foundation e do Ministério da Saúde de Israel.

Os microbiomas de sujeitos saudáveis de pesquisa foram transplantados e administrados a esses pacientes por meio de uma cápsula ingerível. Desse total, 11 participantes relataram menos dor, fadiga e distúrbios de memória, superando os efeitos dos tratamentos anteriores. “Essa melhora, inclusive, continuou por meses e os pacientes retornaram ao trabalho, aos estudos e ao estilo de vida habitual”, destaca Minerbi.

Conexões entre os microbiomas e o distúrbio da dor

O estudo do Dr. Minerbi sobre a ligação entre bactérias intestinais e fibromialgia começou em 2017. Ele e seus colegas queriam descobrir se a microbiota intestinal também poderia influenciar os processos de dor. O estudo se concentrou na dor na fibromialgia por vários motivos: a causa desconhecida, sua prevalência e a falta de um método diagnóstico ou de tratamento eficaz.

A fase inicial da pesquisa incluiu a análise das diferenças estatísticas na composição do microbioma entre indivíduos saudáveis e aqueles com fibromialgia. “Foram encontradas diferenças marcantes entre 20 espécies bacterianas, que variaram em prevalência entre os dois grupos. Observamos que quanto maiores as diferenças no grupo da fibromialgia, mais graves ermam seus sintomas”, explica Minerbi.

Análises posteriores mostraram que essas bactérias liberavam certas substâncias ligadas ao sistema nervoso e à intensidade da dor relatada pelos pacientes. “Encontramos uma ligação quase direta entre a concentração de substâncias específicas influenciadas pela atividade bacteriana e a intensidade da dor relatada pelos pacientes. É importante ressaltar que essas substâncias podem ser medidas no sangue. Esta descoberta pode permitir o desenvolvimento de exames de sangue para diagnosticar e monitorar a fibromialgia”, relata o especialista do Rambam.

Ele descreve que “devido à sua natureza indescritível, a fibromialgia é categorizada mais como um distúrbio do que como uma doença. Apesar de existirem muitos sintomas, sua causa não é clara. Por isso, atualmente, não há outro método de diagnóstico além dos relatos subjetivos dos pacientes”.

De acordo com Minerbi, o sistema médico negligenciou a doença e as pacientes do sexo feminino muitas vezes enfrentam ceticismo por parte dos seus prestadores de cuidados de saúde. “A causa subjacente dos sintomas permanece desconhecida e isso dificulta o desenvolvimento de tratamentos específicos. Contamos com o controle da dor e tratamento da fadiga e perda de memória. No entanto, tudo isso é paliativo e ineficaz.”

Para estabelecer a causalidade, ou seja, se esses microbiomas específicos causavam a fibromialgia, o grupo de pesquisa transplantou microbiomas de pacientes saudáveis do sexo feminino em camundongos livres de bactérias. Dentro de duas semanas, os ratos exibiram sintomas de fibromialgia que persistiram durante meses, fornecendo evidências convincentes do papel do microbioma no desenvolvimento da fibromialgia.

Uma investigação mais aprofundada revelou um impacto no sistema imunitário, perturbando o seu equilíbrio e fazendo com que ele atingisse áreas do sistema nervoso responsáveis pela sensação de dor. Os ratos receberam antibióticos para tratar o microbioma doente, após o que microbiomas de mulheres saudáveis foram transplantados para os ratos. Notavelmente, os sintomas de dor nos ratos desapareceram rapidamente.

O sucesso inicial do estudo encorajou a equipe de pesquisa a preparar uma investigação mais abrangente. “Faltou grupo controle e randomização no estudo. Em breve, recrutaremos 80 pacientes para um ensaio maior e controlado, que esperamos confirmar nossas descobertas”, acrescenta o Dr. Minerbi, o que abre caminho para uma maior compreensão e possíveis avanços no diagnóstico e tratamento para pessoas que sofrem de fibromialgia.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside