terça-feira, junho 25, 2024
Home News Plano de saúde terá de custear congelamento de óvulos para paciente oncológica

Plano de saúde terá de custear congelamento de óvulos para paciente oncológica

por Redação
0 comentário

Por unanimidade, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que um plano de saúde deverá custear o procedimento de congelamento de óvulos para uma paciente de 24 anos que está passando por tratamento de um câncer de mama. Segundo a decisão, foi entendido pelo tribunal de que o procedimento faz parte do “planejamento familiar” que, pela Lei dos Planos de Saúde, faz parte da cobertura, levando em conta o caso da jovem.

Apesar da decisão ser inicialmente apenas para esse caso, o assunto pode abrir possibilidades para inúmeras pessoas ao redor do país que também sofrem desse problema e poderiam ter a mesma oportunidade.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o câncer de mama é o tipo mais incidente nas mulheres do país após o câncer de pele não melanoma. Foram estimados para este ano 73.610 casos novos, o que representa incidência de 41,89 casos por 100 mil mulheres.

O especialista em reprodução humana, médico Nilo Frantz, da Nilo Frantz Medicina Reprodutiva, em São Paulo, comemora a decisão. “É uma grande vitória. Infelizmente, o congelamento de óvulos ainda é um procedimento que acaba se tornando inacessível para parte da população brasileira por conta dos altos custos de medicação, exames e procedimentos. Essa decisão contribui para preservar a fertilidade feminina que pode ser afetada pelo tratamento oncológico, trazendo à paciente o sentimento de poder optar ou não pela maternidade no futuro e também a acessibilidade para esse procedimento tão importante e que deve ser cada vez mais disseminado”, afirma.

Frantz explica que o tratamento oncológico é complexo e que a quimioterapia, uma das principais formas de tratamento de diversos cânceres, pode interferir em 40 a 80% na fertilidade feminina, causando uma menopausa precoce.

“Felizmente, hoje já existem técnicas para preservar a fertilidade feminina em pacientes oncológicas, como o congelamento de óvulos. Uma vez que os óvulos são retirados antes do início do tratamento e criopreservados, podendo ser utilizados futuramente, quando a paciente já estiver tratada e apta a engravidar”, explica Frantz.

Outra forma de procedimento já existe na medicina, mas ainda não é feita com frequência no Brasil é o congelamento do tecido ovariano. De acordo com Simone Mattiello, médica especialista em reprodução humana da Nilo Frantz Medicina Reprodutiva, neste procedimento é necessário retirar todo ou parte do ovário.

“O processo é feito por cirurgia videolaparoscópica sob anestesia geral e exigindo internação hospitalar. Dessa forma, a paciente deve ser preparada e estar em condições para a realização do procedimento”, explica a especialista.

Segundo Simone, após a retirada do ovário ou de parte dele, o que foi coletado será congelado, de forma com que as suas principais funções sejam mantidas, como produzir hormônios e conter os óvulos. “Quando indicado, o ovário poderá ser enxertado de volta na paciente e assim ela possa gestar com seus próprios óvulos e retorne à função hormonal”, afirma.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário concorda com o armazenamento e tratamento dos seus dados por este website.

SAÚDE DIGITAL NEWS é um portal de conteúdo jornalísticos para quem quer saber mais sobre tendências, inovações e negócios do mundo da tecnologia aplicada à cadeia de saúde.

Artigos

Últimas notícias

© Copyright 2022 by TI Inside