ArtigosNewsletter

Os benefícios de um ecossistema colaborativo para o Brasil pós-covid

0

A economia colaborativa tem sido tema de estudo nos mais diversos segmentos ao longo dos últimos anos e era inclusive, visto por muitos estudiosos como uma das tendências mais importantes da próxima década. Segundo um relatório divulgado pela PWC, empresa de prestação de serviços em auditoria, consultoria tributária e societária e consultoria de negócios, no início de 2020, a perspectiva era que esse tipo de economia deveria movimentar mais de 300 bilhões de dólares até 2025. E então, o Coronavírus aconteceu e derrubou todas as previsões que existiam até aqui.

Agora, conforme a situação caminha para uma estabilização algumas pessoas afirmam que a necessidade do isolamento trouxe também o declínio desse fenômeno. Porém, acredito que essa afirmação só é verdade se olharmos para a lógica colaborativa “tradicional”, com soluções como o cruzamento de dados, “matches”, inteligência artificial e geolocalização. O caminho, a meu ver, está em apostarmos em um modelo “híbrido”, com um mecanismo em que homens e máquinas não apenas coexistam, mas também trabalhem juntos, de forma que colaborem para uma maior produtividade, economia e segurança nas empresas.

E hoje, eu posso afirmar: esse processo já está acontecendo! E digo mais: nesse momento pós-pandemia, o ecossistema de colaboração tem tudo para crescer ainda mais, principalmente dentro da indústria, mas também fora dela. Isso porque os robôs colaborativos, conhecidos como cobots, podem atuar lado a lado com humanos de forma extremamente segura, o que pode ser de grande valia em um novo cenário onde o distanciamento social fará parte da nossa realidade por um bom tempo.

Dentro das linhas de montagem, por exemplo, esses robôs podem ajudar a dividir os colaboradores em turnos, intercalando-os com a mão de obra robótica, por exemplo. Em ambientes hospitalares, esses equipamentos também podem atuar na realização de funções naturalmente insalubres como a manipulação de lixo contaminado e de resíduos, evitando a contaminação de pessoas.

Salvo a questão de segurança sanitária, a lógica da colaboração robótica traz vantagens muito importantes para o fator de negócios. Duas delas são as que considero mais importantes: fácil usabilidade e flexibilidade. Isso porque são facilmente integráveis, o que torna os cobots simples de manipular tanto por especialistas, como também por funcionários do próprio negócio, após uma qualificação simplificada realizada pelos próprios fornecedores. Outro ponto importante, é a liquidez alta desse tipo de equipamento.

Fatores como esses são imprescindíveis nesse momento de instabilidade. Suponhamos que uma fábrica precise aumentar muito a produção rapidamente para suprir uma maior demanda. Nesse caso, é possível identificar as etapas que precisam ser otimizadas e então adaptar o uso dos robôs nelas. Um cobot que antes era usado para paletização pode ser inserido no empacotamento com uma simples mudança de aplicação. E o colaborador pode programá-lo e alterá-lo sozinho.

Com isto posto, posso afirmar que é possível ir muito além da “economia colaborativa” como conhecemos, apenas usando humanos e tecnologia pura. Já está na hora de incorporarmos a ela os preceitos da sociedade 5.0, com humanos e máquinas coexistindo e colaborando. Por enquanto, essa lógica está mais forte na indústria e vai crescer no Brasil a partir desse segmento. Porém, logo veremos várias iniciativas parecidas em diversos outros setores. E quem não olhar para essa realidade ficará atrasado! Vem conosco?

Denis Pineda, gerente regional da Universal Robots na América Latina, empresa dinamarquesa líder na produção de braços robóticos industriais colaborativos.

rfxcel assina acordo com Hypera Farma para gerenciamento de supply chain e rastreabilidade

Artigo anterior

Mais cinco centros no Brasil iniciam testes com vacina chinesa

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Artigos