ArtigosNewsletter

Telemedicina e o futuro do cuidado digital

0

Desde 2002 o Conselho Federal de Medicina (CFM) autoriza a telemedicina no Brasil. Contudo, apenas com o período pandêmico exercê-la torna-se real com a aprovação da Lei 13.989/2020, que liberou a prática de atividades de teleconsulta e telediagnóstico. A tecnologia que permitiu conectar remotamente médicos e pacientes trouxe benefícios como a otimização e agilidade nos processos, mas também marca o início de uma profunda transformação no cuidado virtual. 

Hoje, vivenciamos um caminho sem volta, já que a tecnologia por trás dos atendimentos contribui para uma melhor experiência entre profissionais de saúde – médicos, psicólogos, nutricionistas, educadores físicos – e pacientes, além de proporcionar benefícios para as empresas do setor, em especial, em regiões mais remotas que carecem de especialistas. 

A aplicação de software de gestão na saúde também permitiu oferecer ao paciente atendimento virtual e facilidades que antes estavam distantes da realidade de muitos brasileiros. 

Muitas dessas inovações são desenvolvidas por startups, empresas com base em tecnologia com atuação no segmento da saúde, as chamadas healthtechs. No primeiro trimestre deste ano, as startups brasileiras movimentaram R﹩ 11 bilhões de investimentos e as healthtechs somaram R﹩ 533 milhões, um crescimento de 337% comparado com o mesmo período do ano passado, segundo os dados do levantamento “Inside Venture Capital”, realizado pela Distrito Dataminer. 

Diante dessa nova realidade na área da saúde, observamos que a telemedicina é apenas o início do intenso processo de transformação, a ponta do iceberg. Entretanto, a evolução tecnológica tem sido imprescindível nesse setor e, por isso, as novas soluções devem continuar a surgir no pós-pandemia. 

Isadora Kimura, fundadora, CPO e head de Parcerias da Nilo Saúde. Engenheira formada pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), possui MBA pela Stanford University, nos Estados Unidos. Durante a sua estadia nos EUA, atuou no Vale do Silício em uma empresa unicórnio de saúde mental digital, a BetterUp. A experiência adquirida motivou a Isadora a retornar ao Brasil para aplicar todo o aprendizado em projeto na área da saúde, ao lado dos sócios e também cofundadores Victor Marcondes de Oliveira (CEO) e Rodrigo Grossi (CTO). Juntos eles fundaram a Nilo Saúde no começo de 2020.

Sistemas integrados de gestão empresarial ganha força na área da saúde

Artigo anterior

Aplicativo para acompanhamento de diabetes inclui e-commerce em nova atualização

Próximo artigo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar

Mais Artigos